Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Screen Shot 2017-04-24 at 13.12.46.png

Desde que nasceste que o meu coração quase não cabe em mim de tão grande de amor que ficou. Mas quando choras fica do tamanho de uma ervilha. Quando ris, fica do tamanho de uma roda gigante.

Quando dormes com a cabeça encostada no meu peito, bate devagarinho para não te acordar. Quando jogamos à apanhada, bate a mil à hora só para ouvir a tua gargalhada.

Quando estás doente, desaparece. Quando ouve a tua voz ao longe, começa a tecer-se grande como a teia de um algodão doce.

Como tem tantos tamanhos, não sei em que caixa o posso colocar. Porque este será sempre o melhor presente que te posso dar, neste dia da criança ou em todos os outros da tua vida – o meu amor.

Feliz dia, minha criança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A questão do baptismo, para mim, é uma não-questão. Apesar de ser baptizada pela igreja católica, não sou praticante e considero-me uma pessoa não-religiosa por não me identificar na totalidade com nenhuma das várias doutrinas existentes e ter a ciência como resposta para a maioria dos acontecimentos terrestres.

 

No entanto, entendo e respeito quem tem fé e queira, com um nascimento de um novo membro na família, que este se inicie na religião na qual a família é crente.

 

Na minha adolescência, quando tudo estava errado (típico!), era um motivos de discórdia constante com os meus pais. "Porque é que me baptizaram? Não tive direito de escolha!" - como se isso tivesse feito uma enorme diferença na formação da minha personalidade - mas mais tarde acabei por me calar e hoje em dia, delicio-me a ver albúns antigos, entre os quais o do meu baptizado. Acredito que para quem seja religioso o significado de um baptismo seja bem diferente do meu, com um enorme valor sentimental, bem diferente do que apenas recordações fotográficas da infância.

 

No entanto, houve ainda um outro acontecimento que me faz, ainda hoje estar rodeada por vestidos, velas  e toalhas de baptizado. A minha mãe, teve em tempos uma loja de vestidos de noiva, baptizados e comunhões e o stock ainda existe. Por isso mesmo, decidi criar uma página com os artigos que ainda estão armazenados.

 

 

Dêem uma espreitadela na página de Facebook.

 

 

Pode ser que encontrem algo que vos agrade para os vossos petizes!

COVER_BBB.png

T*

Autoria e outros dados (tags, etc)

03

01.03.17

cronicas_marco.png®Teresa Serrano 

Como gosto de pensar que os dias soalheiros estão a chegar, mesmo que ao olhar para a janela não seja esse o cenário que vejo.

Espero-te Primavera.

freakytable_urbanjungle.png

instagram @urbanjungle @thefreakytable

cronicas_botanicalmagical (1).png

 instagram @botanicalpickmeup @plants_are_magical

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

DSCF0707.JPG

Tejo dos marinheiros dos cacilheiros e das taínhas.

da saga #LisbonILoveYou

®Teresa Serrano

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estou a fazer este texto agora. Apenas está a levar o tempo de ser escrito e pressionar o botão "Publicar".
Nada disto foi estudado, anotado, rasurado... está em bruto, como todos os pensamentos flashantes que visitam o meu cérebro a cada segundo.
Por vezes penso, porque escrevo este blog?
Para quê estar a perder tempo a escrever seja aquilo que for quando na verdade todos temos uma opinião diferente e atrás do nosso teclado e tão fácil e confortável poder escrever comentários ultrajantes quando a opinião não coincide com a nossa?
Para quê perder tempo a pensar no que escrever e fazê-lo de forma civilizada e coerente quando na verdade, para um comentador de bancada bastam 20 segundos para me chamar mentecapta?
Para quê pensar em conteúdos atuais quando na verdade o que interessa mesmo é o erro ortográfico (que não fica bem, é verdade!) mas que pode ser corrigido/editado no minuto seguinte?
Para quê passar testemunhos reais para que se entenda o que se passa no nosso País/cidade/rua como fiz neste post, quando na realidade em 30 segundos se lê um texto na diagonal sem se perceber sequer a conclusão e o comentário é: Se estás mal, muda-te!?
Para quê escrever crónicas para nos rirmos de nós próprios, aliás foi o mote deste blog - quando na verdade os portugueses não têm sentido de humor? 
Agora pergunto: Mas porquê? E o porquê que não seja entendido como porque é que comentam. O porquê é antes porquê essa agressividade atrás do teclado?
As opiniões são para ser dadas (contra, a favor, tanto faz!) mas porquê deixar de se ter modos só porque não estamos cara-a-cara? Que raiva é essa que só é incontrolável entre a ponta dos dedos e as teclas mas que quando é para ser manifestada publicamente, seja em eleições ou outros atos públicos deixa de existir para dar lugar à inércia?
Hoje o texto é este. Hoje é o possível. No entanto, não gosto de desistir e muito menos que me obriguem a desistir. Por isso amanhã continuarei a escrever e depois de amanhã e depois.
A quem me lê, concorde ou não com o que escrevo, apenas desejo que sejam felizes. Porque a felicidade traz paz interior e controla as pontas dos dedos de espalhar raiva cibernética.
T**

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gosto muito quando sou surpreendida pela positiva enquanto estou a remexer em caixotes de tralhas que à primeira vista só dão vontade de pegar e pôr no lixo sem olhar sequer para o que têm lá dentro, sem misericórdia. Um conselho: nunca façam isso. Olhem sempre uma segunda vez. 
Desta vez encontrei uma quantidade ainda consideráveis de desenhos/pinturas que o João fez da coleção de telefonias e rádios antigos do pai. Quando lhe perguntei o que era aquilo, disse-me um o ar mais natural do mundo: "ah, isso não é nada!" "Foram uns desenhos que expus mas podes deitar fora." (What?!). Só pode estar a gozar com a minha cara, como é óbvio! Eu que tenho um arrecadação inteira em casa dos meus pais com trabalhos da faculdade que nunca deviam ter visto a luz do dia mas que continuam guardados, ia agora mesmo deitar fora este trabalho do João!

CONJUNTO.jpg

São mais de vinte desenhos em formato A3 sobre cartão pintados a acrílico e marcador com os quais consegui fazer duas composições bem interessantes, uma com doze desenhos e outra com nove.

A de doze vai ser emoldurada e posta no nosso escritório (vai haver post sobre isso daqui a uns tempos), mas a de nove está disponível. Caso gostem não hesitem em mandar mensagem porque pode ser vossa!
Boa semana!
T**

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

KIT_FIRST_AIDS (1).jpg

Sempre que vou na estrada e há um acidente, sou a primeira a não querer ver o que se passa. Ao contrário da maioria dos automobilistas que param para ver. Tenho a certeza que na grande maioria dos casos apenas por curiosidade mórbida, porque na realidade se tivessem de sair dos seus veículos para irem ajudar, seriam os primeiros a ficar quietinhos e pálidos.

No meu caso, sempre tive pavor destas situações e visto que não consigo ajudar ninguém porque entro em pânico, prefiro não interferir e seguir o meu caminho. Tudo isto com um nó no estômago que fica durante horas.
Desde que o Dinis nasceu, o meu pavor por situações de perigo aumentou ainda mais e passou a ser um pesadelo constante na minha cabeça: "se lhe acontece alguma coisa eu não vou conseguir reagir" " e se ele se engasga?". Só questões que me azucrinavam o juízo o tempo todo.
Por isso mesmo pensei que tinha de fazer alguma coisa, por mim e por ele. E foi assim que decidi tirar o curso de primeiros socorros pediátricos.
Posso garantir me fez muito bem, apesar de (felizmente!) ainda não ter posto nada em prática. 
Não só me acalmou em relação ao meu filho e como irei lidar numa situação que emergência como ainda me fez um clique de cidadania.
É óbvio que depois deste curso, se eu assistir a uma situação de emergência, irei agir (quase) de certeza. É um dever que tenho enquanto cidadã (e socorrista). O suporte básico de vida é uma técnica que pode salvar vidas (como o nome indica) e todos nós deveríamos saber fazê-lo.
Este é apenas o meu testemunho, mas caso queiram fazer um destes cursos, aconselho a Escola de Socorrismo da Cruz Vermelha Portuguesa (onde fiz).

Autoria e outros dados (tags, etc)

!!!2 Anos!!!

06.09.16

Dois anos passaram desde que nos casámos.
!!!Parabéns a nós!!!!!
Faço festa a isso porque continuo muito feliz. Foi uma das decisões mais importantes e ponderadas da minha vida. E para celebrar, tal como fizemos o ano passado, voltámos ao mesmo sítio de uma das fotos do nosso álbum de casamento e repetimos tudo outra vez. Desta vez com o nosso apêndice que o ano passado já cá estava mas camuflado (mais ou menos camuflado porque a barriga já estava bem grande!).
Este ano o fotógrafo oficial do evento é o Frederico Mendes, que para além de meu cunhado (sempre em família!) é também um exímio profissional. Ainda irão voltar a ouvir falar dele daqui a uns tempos por estas bandas, com direito a post com foto-reportagem e tudo. É que o Frederico faz as próprias câmaras com que fotografa.
Por agora fiquem com o resultado deste ano (aqui na versão digital) e para o ano voltamos a repetir!

2 ano depois (2).jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

CW_stop_airbnb.jpg

O tema começa a ser recorrente entre os moradores dos bairros históricos (e menos históricos) de Lisboa. "-Isto está a ficar impossível", "-Estou farto(a) de tuk-tuk's até à ponta dos cabelos","- Estive uma hora preso(a) no trânsito por causa das obras", entre muitas outras linhas de diálogos que se ouvem entre vizinhos ou em conversa de café.


E realmente está mesmo impossível...

 

Vim morar para Alfama em 2012 e o meu grande problema nessa altura era o mês dos Santos Populares. Santa preocupação essa, comparada com as minhas preocupações hoje em dia. Para somar aos então trinta dias das festas da cidade tenho, neste momento, de me preocupar com:


• Se consigo sair da minha rua, porque está sempre trancada com tuk-tuk's, táxis e autocarros de turísmo. Com muita sorte que possa ter é apenas uma fila, outras vezes tenho menos sorte e há ainda uma segunda ou terceira fila. E ai de mim que me dê para buzinar! Aí, tenho os guias turísticos todos a mandar-me faíscas com o olhar porque lhes estou a espantar a clientela e que bela imagem estou eu a passar dos lisboetas! Isto se não levar com dois ou três palavrões do taxista para me acalmar.

• Se consigo não atropelar ninguém, quer esteja a pé ou de carro. 


• Se consigo chegar a casa pelo trajeto "normal", porque nunca se sabe quando vai haver uma corrida (noturna, diurna, a galope) que fecha todos os acessos à minha rua.

• Se consigo estacionar ao pé de casa, porque entretanto podem haver filmagens de anúncios, filmes, séries, telenovelas no dia seguinte e todos os lugares de estacionamento ficam reservados para o staff. 

 

• Se consigo dormir, porque o apartamento de cima está em regime de airbnb e nunca se sabe se será apenas um casal de velhinhos alemães a alugar a casa ou a turma de finalistas do 12º ano de ingleses mortinhos por perderem a virgindade e vomitarem da varanda (tudo isto com banda sonora dos House of Pain - Jump around, que eles adoram acompanhar cantando e pulando ao mesmo tempo no soalho de madeira de mil-oitocentos-e-troca-o-passo mesmo por cima da minha cabeça).

As preocupações são estas, por enquanto. Ainda não chegou o dia em que o senhorio me comunica que tenho de abandonar o apartamento porque vai vender o prédio para ser construído um hotel, como já está a acontecer no prédio ao lado e no da frente. Posso ainda mencionar o barulho de batoneiras a trabalhar desde as oito da manhã que entram pela janela e se instala no ouvido o dia todo...

Resumindo, alguém vai ter de ceder. E cheira-me que, mais cedo ao mais tarde, serei eu...

 

Por agora, restam-me as palavras (sábias?) de um polícia que estava a cortar o trânsito na minha rua depois de eu me queixar que era sempre a mesma coisa: "- Quem lhe manda morar em Alfama?".

E é isto, meus senhores!

Autoria e outros dados (tags, etc)

arvores_somos_nozze.jpg

 

Este último mês tem sido muito intenso. Muitas decisões foram e estão a ser tomadas. Umas impostas e outras porque é agora que fazem sentido.
Duas novas vidas começaram e uma outra pensou que iria deixar de existir...
É o mês em que vou ficar sem o meu trabalho das 9 às 5. O mês em que a agência decidiu que o departamento criativo já não era necessário (ou renovável).
O mês em que todos os trabalhos são urgentes de acabar. O "asap" é o "cumprimentos" no final de cada email.
Quando na realidade, a urgência é que estes trabalhos saiam rapidamente destes discos rígidos para não terem de se enfrentar mais estas pessoas que trabalham com estes computadores.
É o mês em que de criativo se passa a gestor. Porque cada valor é negociado como se de uma feira se tratasse e cada tostão conta (e como detesto esta feira...). 
É urgente que se acabe estas negociações rápido para não sermos mais um custo nesta gestão de euros (ou falta deles).
Tudo é urgente, tudo urge.
No meio desta inflação de sentimentos revestidos de números, houveram dois nascimentos de duas lindas sobrinhas. Isso sim é urgente. A Vida. É com estas duas pequenas vidas que faz sentido rir ou chorar se as coisas não correm tão bem.
Este também foi o mês em que o meu primo decidiu não saltar mais de pára-quedas, apesar dos milhares de saltos que já fez. Porque a avioneta onde voava caíu e ele foi um dos sobreviventes. Isso sim é uma decisão de Vida. De urgência de viver. 
Com estes acontecimentos todos, os "asps" dos emails que mais parecem alertas vermelhos de prioridades máximas de catástrofes naturais anunciadas, passaram a ser apenas ridículos. Porque urgente mesmo urgente...só mesmo a Vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Um blog de experiências do dia-a-dia com um toque de sarcasmo e ilustrado por uma designer que " Quando-for-grande-quer-ser-ilustradora".


Tradução/Translate


I Saw Jesus in a Toast

Blogs

Tumblr


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Bloglovin